Grupo sem capa

Novel Brasil

0.0 (0 Avaliações)

Não há informações sobre este Grupo.

Lançamentos

Novel Release Data

Noticia Mais

  • Novel Brasileira - EM UM MUNDO DE HERÓIS


    EM UM MUNDO DE HERÓIS


    Capitulo 1 - Começando de Novo



    Por: Mr. Izuku



      Ali estava um colégio grande, maior que qualquer outro, especializado na criação de futuros heróis, tinha o nome de seu criador, Kenshirou Ootsuka,- mas era mais comum chama-lo de K.O ou simplesmente de Ootsuka- um grande herói do passado que gastou suas economias de quando era jovem para criá-lo a algumas gerações atrás.


     - Eu tinha que voltar para o mundo em algum momento.


     Quem falava era um garoto que estava o encarando parado por um tempo. Seu cabelo estava mau cuidado, era preto com pontas que se estendia até seu ombro. Seu rosto era atraente, mas o que chamava atenção era seus olhos que eram bastante peculiares, com de cores diferentes não muito comuns sendo esquerdo era azul escuro e o direito era roxo.


     Era um garoto bonito o suficiente para se destacar em uma multidão, no entanto se encontrava em péssimo estado, com grandes olheiras, postura ruim e um rosto magro como se não estivesse se alimentando direito a algum tempo.


     Seu nome era Izuku e nos últimos dois meses esteve recluso em casa evitando encontros com outras pessoas. Quando ele percebeu que sua presença estava chamando a atenção de algumas pessoas seus olhos ficaram verdes por um momento, mas logo voltaram ao que eram.


     Ao entrar foi barrado por uma segurança pouco a frente da entrada. Ela usava um vestido completamente preto com simbolo do colégio no peito. Seus cabelos eram loiros e extremamente bem cuidados com uma linda franja tapando parte do um de seus olhos negros e sérios.


     Seu pele pouco colorada combinava com seus cabelos loiros e lábios rasados a deixando ainda mais bonita. Ela aparentava ter pouco mais que vinte mas passava a sensação de adulto serio em seu olhar. Ela não era nada menos que uma beldade mas os alunos evitavam mirar em sua beleza por causa da sua postura seria.



     - Precisa de ajuda.- disse ela com um tom serio, sua expressão não mudou.



     - Na verdade sim, eu foi matriculado nessa escola só que perdi o dia da distribuição de salas e agora não sei de que turma eu sou.



     - Hmm... Eu posso te ajudar com isso, me segua por favor, eu vou te levar até o diretor.



     - Obrigado.



     Enquanto a seguia ele olhava aos arredores decorando onde ficava cada localizações. A  segurança dava breves olhadas pra trás olhando pra ele o analisando, isso o deixavam um pouco embaraçado mas entendia o seu motivo. Os dois continuaram seguindo até que ele se deparando com uma cena interessante, ele viu um garoto com o que seria um familiar, um lobo cinza com alguns detalhes em seu pelo em vermelho.



     Familiares são criaturas magicas com o corpo criado através de magia, seus espíritos vivem vagando por ai até encontrar alguém que firmem contrato assim podendo assumir uma forma física. Eles não são dependente de mana para se manterem mas o mestre seu ceder sua mana o familiar para reabastece-lo ou cura-lo.



     Eles tem a preferencia de assumirem corpos de monstros e sua maioria assumem dos mais pequenos, existem espíritos mais superiores que são bem mais fortes e podem ter um corpo humanoide de qualquer espécie, a escolha do corpo do familiar cabe a ele tendo algumas limitações de escolha pela mana fornecida pelo mestre. A relação entre familiar e mestre e a partir de troca sendo preciso cumprir alguma exigência imposto pelo familiar.



     Aqui é permitido trazer familiares, será que eles treinam com os alunos.



     Enquanto terminava seu raciocínio pararam a frente a uma porta. Parada na frente a segurança bateu na porta e só se atreveu a entra quando escutou um Entre vindo de dentro.



     O diretor, que estava sentado em sua cadeira atrás, era um homem bonito mais velho com aproximadamente quarenta anos. Seu rosto e corpo bem definido passavam a impressão de masculinidade.



     Mesmo com seu cabelo completamente branco não parecia ter algum outro problema com a idade dispondo de uma aparência bastante jovial.



      A sua frente uma mulher também sentada estava uma mulher uma mulher, aparentemente uma professora. Seu corpo era maduro e cheio de belas curvas estando nos seus vinte e poucos anos. Seu cabelo era castanho escuro carregando um belo brilho o usando em rabo de cavalo, seus olhos castanhos claros com uma piquena mistura de verde lembrando uma bela nebulosa carregavam uma seriedade parecia sendo fria por natureza.


     Na mesa havia poucas coisas; alguns papeis, um computador, um porta lápis feito de argila escrito em rosa Melhor pai do mundo, pela cor indicava que foi feito por uma garota, e um suporte com uma placa de metal com o nome Hiro Yanagita, certamente era seu próprio.


     - Qual o problema?- falou o diretor seguido de um olhar severo para o garoto, talvez tenha achado que ele tenha provocado alguma confusão.


     - Esse garoto não compareceu ao primeiro dia de aula e não sabe a que sala pertence.


     - Hmm...- depois de perceber que não era o que pensava se tranquilizou um pouco- Qual é o seu nome garoto?


     - ...- ele pensou um pouco antes de responder os curiosos pelo motivo- Eu devo estar registrado com dois nomes, procure por Izuku Nomura.


     Enquanto o diretor procurava, Izuku recebeu alguns olhares dos da sala, parecia que todos procuravam a resposta do porque dele usar mais de um nome.


     - Aqui, você pertence a turma 1-A. Mas antes de ir, me responda algo...


     - Hum?


     - Porque você decidiu aparecer somente agora? As aulas já começaram dois meses.


     Não me faça pensar naquilo, eu não quero...


     Seus olhos ficaram azuis e começou a olhar pra baixo como se tivesse decepcionado com algo, havia algo que queria esquecer.


     - Eu precisava de um tempo sozinho ...


     O diretor percebeu percebeu sua reação e não tocou no assunto mas fez outra pergunta.


     - Aqui diz que você quer ser herói, isso está certo?


      Esse colégio se dividia em dois grupos de estudantes, os que faziam o curso para se tornar heróis, esses apendiam principalmente como melhorar suas técnicas e habilidades para o combate, e os de suporte que aprendiam sobre alguns aparatos tecnológicos entre outras coisas para o auxilio dos heróis.


     - Sim.


     Ele respondeu de forma simples e direta tentando não se prolongar no assunto, o diretor interpretou isso com sua falta de argumentos e o dispensou.


     - Utsumi, o acompanhe até sua sala.


     A guarda respondeu com um simples aceno com a cabeça.


     - Me acompanhe.


     Novamente respondeu com um aceno de cabeça, antes de sair pela porta agradeceu ao diretor se curvando. Quando a porta se fechou a mulher finalmente se pronunciou por sua curiosidade.


     - Porque dois nomes?


     O diretor sem responder simplesmente virou o monitor de seu computador, nele havia os dados dele. A mulher ficou surpresa ao ver seu verdadeiro nome, mas suas habilidades não eram tão impressionantes assim.


     - Ele realmente pode ser um herói?


     Perguntou ela ao ver seus atributos, seu talento não lhe fornecia o que era necessário para ser um herói, seus olhos podiam mudar de cor com o desejo dele ou seus sentimentos, e mesmo tendo uma benção- que era algo peculiarmente raro- não o ajudaria em uma ajuda grande em uma batalha, sendo o seu nome benção filho da luxuria e o permitia ser vistos com uma beleza extraordinária o transformaria basicamente em um incubus mas podia ser facilmente evitada por pessoas com o espirito forte ou algum objeto que desse imunidade a controle mental o veria. E mesmo tendo habilidade de usar magia era improvável que um garoto tão jovem tenha dedicado o tempo necessário para se aprender algo que poderia ser usado em combate, na verdade poderia se tornar um ótimo aluno suporte pois tinha o QI bastante elevado sendo facilmente considerado um gênio.


     - Bom, ele fez o teste como todos os outros pra entrar e conseguiu, se não ele não estaria aqui!


     - Hum, Tomara que esteja certo.


     Izuku ainda acompanhava a guarda mas agora já com seus olhos na coloração normal, de repente ela parou na frente de uma sala fechada.


     - Essa é a sua sala.


     - Ah... Obrigado.


     Como as aulas já havia começado entrar assim iria chamar a atenção de todos pra se, isso o deixava nervoso estava nervoso, seus olhos trocaram novamente de cor indo para o verde dessa vez. Enquanto ele se preparava para bater na porta a guarda tomou a sua frete e o fez no seu lugar. Logo uma mulher atendeu, era a professora, era um pouco mais baixa que o Izuku, ele não conseguiu prestar atenção a sua feição por estar recebendo a atenção dos alunos da frente.


     - Sim?-disse ela enquanto os observava.


     Nossa! Todos estão olhando pra min, devia ter pelo menos dado um passo pra trás


    Ao perceber que os alunos da frente começaram a conversar um com os outro sobre ele fez seu coração acelerar.


    Para com isso, não precisa ficar me encarando, uma vez já basta


     Logo seu rosto ficou completamente vermelho sego pela vergonha não percebeu a professora colocando a mão o seu ombro lhe dando um susto.


     - Huhum. Ele certamente vai se dar muito bem na nossa turma, vamos Nomura.


     Ela o dava um sorriso gentil enquanto falava, ele não havia percebido mas as duas estavam conversando do seu lado. Com isso a guarda se retirou sem enquanto ele acompanhado da professora para dentro. Tendo que ficar a frente a toda turma o fez com que seu rosto carrasse até as orelhas e seus olhos reluzissem como duas esmeraldas brilhantes


     - Gente esse é o Izuku Nomura, ele será um aluno dessa sala de agora em diante, cuidem bem dele.


     Os aluno a responderem cada um de uma forma diferente, mas todos com o mesmo o significado, Entendido


     - Diga alguma coisa.- ela falou na sua orelha baixinho para só ele escutasse.


     O que eu devo falar, eu não tenho nada pra falar pra eles, nem conheço eles!


     - AH ... Prazer Em Conchelos !!- ele falou rápido, sua voz estava inconscientemente mais aguda enquanto por dentro ele gritava pra se mesmo, Acaba logo !!, a professora vendo a situação em que ele se encontrava deu um breve sorriso calmo.


     - Pode se sentar sentar naquela cadeira vazia, ao lado da Takemura.


     Ela apontava a uma cadeira vazia ao fundo ao lado de uma garota corpulenta. Mesmo tendo um corpo maior isso não a fazia ficar feia, pelo contrario, suas bochechas era grandes e fofinhas como de uma criança além de aumentar suas curvas. Seu cabelo se assemelhava ao vermelho vivido do sangue fazendo uma bela combinação com seus lindo olhos esmeralda, porém marcados pelo medo no seu olhar.


     Toda a atenção da sala se voltava a ele, todos o olhavam com curiosidade enquanto discutiam com seus colegas. No entanto ele quebrou suas espectavas se escondendo atrás dos braços ao se assentar.


     Mesmo sendo a  ultima cadeira segunda a professora nas suas costas ainda havia uma fileira de assentos entretendo eram diferentes dos que os alunos usavam sendo mais espaçosos e material diferente. Nesses assentos só aviam três ocupados, uma deles escondia seu rosto com uma mascara de raposa enquanto usava um quimono preto que cobria todo seu corpo.


     O segundo era uma garota normal, loira e baixinha, mas suas orelhas pareciam de um animal, mesmo só a vendo por pouco tempo já conseguia identificar que era tímida pelo seu modo de agir. O terceiro era um lobo cinza ainda não estando na idade adulta com grande orelhas de coelho. Obviamente eram familiares de alguém da sala mas quem seriam seus mestres era a duvida.


     Com o termino das aulas todos começara a reunir nos seus grupos de amigos, como ele não conhecia ninguém, na verdade nem tinha a intenção, decidiu ir em bora mas antes de sair percebeu algo pelo canto do olhar, a garota ao seu lado, Takemura, estava sentada sozinha com a cabeça na mesa.


     Bom ... Não importa!


     Sem pensar muito ele decidiu não fazer nada afinal mau a conhecia nem sabia o que ela estava passando. Ainda parado imoveis seus olhos ficaram azuis e frios, procurando respostas ele a observou pensando em algo mas antes de obter sua resposta ou uma decisão teve sua atenção desviada para duas garotas que vinham em sua direção.


     A primeira garota carregava um um olhar introvertido e um pouco petulante de olhos castanhos e cabelo ruivo se aproximando do laranja, e um pouco mais atrás estava outra garota a seguindo, com ambos cabelos e olhos roxos, com a pequena diferença que seu cabelo era claro como uma petúnia e seus olhos eram mais escuros como ametistas, e um olhar mais inexpressivo e serio. Ambas eram diferentes, mas as duas tinham um laço combinado em seus cabelos, o da primeira servia para prender seu rabo de cavalo e o da segunda prendia uma trança em seu cabelo.


     - Oi, seu nome é Nomura não é?


    Quem falava era a garota de cabelo laranja, mesmo sem as conhecer conseguiu perceber que as duas eram basicamente o oposto uma da outra.


     - Meu nome é Saemi, Saemi Matsubara, e minha amiga é Himeka Matsui.


     - Oi.- a segunda garota falou sem se expressar muito simplesmente levantando a mão.


     Elas só estão falando comigo por causa daquela merda...


     Estava falando de sua benção, ela o fazia parecer extremamente atraente para os outros, ele a odiava, sempre ser abordado por estranhos, passou por diversas situações vergonhosas e brigas, por causa dela tinha sempre que usar roupas largas e compridas tentando se esconder o máximo possível do seu corpo.


     - Sim, é sim.- o sorriso no rosto da Matsubara aumentou enquanto a sua amiga continuava com a mesma expressão, sem qualquer sentimento- Você esta indo embora sozinho, não esta? Porque não vem com agente?


     - Não posso, tenho um compromisso.


    Não havia compromisso nenhum aquilo era somente uma desculpa esfarrapada para fujir dela, isso fez com que sorriso dela se tornasse melancólico.


     - Tá, entendo... Te vejo amanhã de qualquer forma.


     - Até amanhã.


     Enquanto elas iam embora, dava pra escutar elas resmungando. Sua atenção voltou a Takemura, mas pensou um pouco mais a respeito e mudou de ideia.


     É cedo demais pra fazer qualquer coisa, posso ser mal interpretado.


     No caminho pra casa ele passou em um parque, não era distante de sua casa, como ele não tinha muita coisa pra fazer em casa decidiu que não faria diferença passar nele. Sentou-se em um banco na parte menos movimentada do parque. Já sentado ele colocou os fones e com os olhos fechados e cabeça baixa tentou esvaziar a cabeça por um tempo.


     - AAAAAHHG!!


     Um grito alto veio de não muito distante ainda dentro do parque. Não era humano era de algum monstro, não havia sido o primeira, mas aquele em especificou alcançou seus ouvidos mesmo com fone. Ele não queria se meter em alguma luta, mas por natureza temia o pior. Ele se aproximou devagar sem fazer barulho de onde veio o grito mas ao se aproximar escutou uma salva de palmas, aquilo foi o suficiente para se arrepender ter vindo mas mesmo assim continuou andando.


     No local havia um grupo de pessoas ao redor de um homem robusto que estava usando um hakama vermelho com um braço de fora. Ele estava com um pé em cima de um monstro se vangloriando enquanto sua plateia o ovacionava. O monstro tinha a pele rosada que ficava cada vez mais escura até chegar no roxo conforme se aproximava dos pés.


     Ele era pouco mais alto que uma pessoa normal, também tinha olhos verdes e luminosos e placas grandes e escuras pelo corpo que se encaixavam muito mau uma na outra deixando grandes pedaços desprotegidos e limitando a movimentação mas ainda assim era natural de seu corpo.


     O monstro estava preso no chão pelo que se parecia ser correntes feitas de água, mas a ela estava avermelhada por sangue. O herói estava segurando uma espada que parecia ser feita de sangue congelado, cheia de espinhos e deformações.


     - Tsc!


     A atitude daquele herói era infantil e sem qualquer respeito com o monstro, entretanto somente o Izuku enxergava desse jeito. Infelizmente isso era algo normal entre os heróis, sempre tentando ter mais fama sem se importar com nada, entretanto ninguém enxergava esse lado deles.


     Em um piscar de olhos o monstro conseguiu soltar um dos braços as correntes e com suas garras cortou a perna. Suas correntes e espada se desfizeram em água enquanto ele caia no chão, todos que o observavam sairão correndo sem se importar com o que aconteceria com ele. A criatura partiu para cima dele aproveitando que estava no chão, ele tentou refazer a espada e as correntes mas a dor o impediu de pensar direito.


     - Tsc!


     Ao perceber onde isso ira para Izuku interviu, com um balançar de dedos algo foi arremessado na direção do monstro, era como uma faísca azul cruzou o ar e explodiu em chamas nas costas dele.


     - GRRR !!


     O único objetivo dele era comprar tempo para o herói se recuperar, ele não queria intervir mais do que isso, afinal ele colheu o que plantou. Ao ser acertado o monstro gruiu de raiva e voltou a atenção para a plateia que se distanciava, com exceção de uma garota que tropeçou por medo. O monstro a fez de alvo e pegou um banco que estava por perto e jogou em sua direção, naquela situação tudo que a garota fez foi fechar os olhos e esperar pelo inevitável, no entanto foi pega de surpresa com o som do banco acertando algo a sua frente e em seguida uma baixa vindo em sua direção.


     - Se ele não tivesse ficado se gabando não teria acabado assim!


     Ao abrir os olhos viu um garoto da mesma idade um pouco ao lado e uma parede de gelo transparente e azulado que saia pouco a frente dos pés daquele mesmo garoto lhe protegendo.


     O monstro vendo a presença dele se enfureceu e gruiu mais auto que antes tentando o intimidar.


     - GGRRRR!!!


     Mesmo com isso Izuku se mantéu calmo e sem qualquer sinal de medo, isso fez com que o monstro se sentisse menosprezado o incentivando a partir pra cima dele. Entretanto Izuku com um estralar de dedos fez com que, o que aparentava ser, uma cobra azul que rasgasse o ar e acertasse o monstro. Ela explodiu ao acerta-lo e em questão de instantes queimou intensamente a carne dele por pouco mais que um segundo deixando somente a carcaça dos ossos, mas mesmo eles estavam frágeis como se fossem simples carvões.


     - Você está bem?


     Izuku voltou sua atenção a garota que estava chocada com o que havia acontecido.


     - Sim, eu só torci o tornozelo. Eu ainda posso andar se me esforçar m pouco.


     - Alguém da associação dos heróis deve vir até aqui limpar a bagunça, ele deve te ajudar.


     - Ok.


     Sem dizer mais nada ele foi embora deixando os dois no chão tentando evitar explicações para a policia e a associação de heróis.


     Ao chegar em casa sem nem se trocou foi direto para o sofá deixando a televisão ligada enquanto descansava,. Ele estava cansado não fisicamente, mas mentalmente, já fazia muito tempo que não conversava com alguém, sem perceber dormiu la mesmo, só acordou quando alguém bateu na porta.


     Droga, deve ser ela! Eu devia ter arrumado as coisas antes.


     Ele se referia a Konoe Nakamoto, ela ia morar com ele por um tempo a pedido do seu pai. Sua mãe havia morrido recentemente sendo ela a melhor amiga do pai dele, como ela não tinha parentes próximos seu pai sugeriu que morasse com ele, ele nunca viu ela seu pai somente falou um pouco pelo telefone sobre ela, ele não gostava da situação mas não podia reclamar já que era seu pai que pagava suas contas. Ele foi até a porta mas antes de abrir parou por um momento para se arrumar, contudo acabou escutando alguém falando do lado de fora.


     - Não se preocupa, se ele tentar algo eu acabo com ele.


     - Tá.


     O que? é mais de uma? Como assim? Ele não falou nada disso!


     Ele nem sequer ligou para o que estavam falando o que o preocupava era quantos estavam falando, seu pai tinha dito que seria só ela. Quando abriu a porta, se deparando com duas garotas plantadas a sua espera.


     A mais a frente tinha cabelos curtos com os fios de uma cor bastante peculiar, branca e acinzentado como as próprias cinzas, não só isso, eles próprios carregavam os mesmos sentimentos de solidão e tristeza das próprias cinzas.


     Ela tinha olhos azul como o próprio céu, desafiadores e sérios ao mesmo tempo. Sua pele era incomumente branca, fazendo grande destaque aos seus lábios levemente rosados. Ela carregava uma aparência mórbida e frágil, como a de uma boneca de porcelana, mas seus olhos e postura ameaçadora diziam o contrario por conta da sua fragilidade.


     A segunda era mais alta chegando a ter a mesma altura que o Izuku. Ela olhos cor de âmbar, mas sendo mais escuro chegando a serem vermelhos. Seus olhos era calmos e felizes, mas se forçavam a ser duros e severos ao seu comando.


     Seu cabelo era de um rosa claro, mas escuro o suficiente para se encher de vida. Ele também era longo, mas era abruptamente encurtado por um rabo de cavalo que o impedia de se estender por suas costas.


     Não havia nada de peculiar nas suas roupas, a não ser os seus acessórios bizarros como uma bolsa em seu ombro, preta, sem zíper, e redonda, parecendo ser feita de ferro. E uma corrente enrolada na sua cintura que permanecia em mãos como um aviso a ele.


     - Você é o Izuku?


     - Sim, e você é?


     Tinha perguntado no intuito de saber quem era a Konoe, ela provavelmente havia entendido sua duvida.


     - Eu sou a Konoe Nakamoto e essa é a Kiri, minha familiar.


     Kiri acenou com a cabeça quando foi citada, mas sua mão permanecia em sua corrente, cose se estivesse esperando o pior da situação.


     - Entrem.


     Disse ele com um sorriso no rosto apontando com o braço pra dentro tentando ser mais convidativo, mesmo não gostando nada disso. Ele tentou pegar uma das malas, mas foi parado por ambas, o fazendo se se sentiu embaraçado com isso, afinal ele só havia tentado ser um cavaleiro.

     - Me sigam eu vou mostrar onde ficam os quartos.

     Ele as levou ao segundo andar, onde somente três eram vagos enquanto um dos outros era ocupado pelo Izuku e o banheiro. A casa também tinha um sótão tendo acessado somente por uma escada de teto sendo usado somente para guardar alguns pertences. A casa era peculiarmente grande deixando um grande sentimento de solidão sendo ocupado somente por uma pessoa.


     - Esse é o banheiro e aquele é o meu quarto, vocês podem escolher em qual quarto cada uma vai ficar. Eu vou preparar o jantar, aproveitem e se acomodem.


     Sem esperar suas respostas desceu as escadas em direção a cozinha, já era tarde e não tinha começado a cozinhar, mesmo ele sabia fazer algumas coisas mas nada muito extravagante. Sua dispensa era em sua maioria das coisas eram instantanizas, já fazia um tempo que não cozinhava para se mesmo. Sem muitas opções ele escolheu fazer uma coisa mais simples que não demore-se muito, elas não demoraram muito para descer mas foi tempo o suficiente para terminar de cozinhar.


     Se sentaram e começaram a cochichar algo baixo o suficiente para ele não escutar, provavelmente sobre ele mas não fez caso disso. Ele logo colocou a comida sobre a mesa mas colocado mas Konoe teve uma reação estranha ao vê-lo fazer, ele não sabia o que era, isso o deixou curioso.


    Será que ela não gosta disso?


     - Se sirvam.


     - Obrigado pela refeição!


     - Quantos anos você tem?


     Hum?


     Seria uma coisa normal querer se confraternizar com ele, mas foi uma pergunta repentina deixando as coisas estranhas.


     - ... Eu tenho dezesseis.


     - Seu pai disse que você passou muito tempo dentro de casa, isso é verdade?


     Não vai falar a sua?


     - ... Sim, os últimos meses eu fique aqui sem fazer nada.


     - Ah...


     O silencio pairou entre eles sendo somente ouvido o som dos pratos e taleres deixando servindo de presagio para o que estaria por vir.


     - Por quê?


     - Não sei, eu queria me distanciar um pouco.- Izuku carregava um olhar insatisfeito mas foi ignorado por ela sendo somente visto pela Kiri.


     O silencio pairou novamente sobre eles deixando a situação ainda, mas desagradável, Kiri pensou em intervir com uma pergunta neutra, mas Konoe foi mais ágil.


     - Você morava na cidade vizinha, não é? Porque saiu de lá?


     Kiri a chutou sem que ele percebesse a advertindo de sua atitude, mas de nada lhe serviu.


     - Não tinha mais nada pra mim lá...


     - Não só pra você, a cidade foi quase completamente devastada com aquele ataque de monstros. A maioria fez como você e se mudou.


     Ele abaixou seu olhar olhando ao longe, enquanto perdido em pensamentos seu sorriso mostrou sua natureza falsa sendo agora sem sentido.


     - Quem era?


     - Do que você esta falando?- a pergunta estranha fez com que ele voltasse seus olhos a ela.


     Ela agarrou o seu braço revelando um grande corte vertical no pulso, Kiri foi a única a se surpreender com o isso, mas algo a fez perder esse sentimento. Seus olhos passaram a ser negros deixando de lado a melancolia se tornando assustadores e furiosos. Konoe não deu atenção a tal fato e continuou a provoca-lo.


     - O que é isso?


     - ...- ele tirou o seu braço da mão dela e voltou a esconder o pulso com a camisa sem sequer falar uma palavra.


     - Pelo que seu pai disse achei você era uma pessoa inteligente!


     - Cala a boca. - sua voz não parecia carregar qualquer raiva mais servia de aviso.


     - O que aconteceu? Algum conhecido seu morreu, foi?


     - Konoe, já chega!- Kiri percebeu para onde as coisas estavam caminhando e a impediu de continuar com essa loucura.


     - ... O que você acha que ela iria achar disso?!


     Konoe não sabia quem era a pessoa ou a sua relação com ela, mas ainda assim conseguiu o instruir. Izuku não conseguiu permanecer ali e se retirou, porém ao se levantar seus olhos voltaram o que eram.


     - Eu vou pro meu quarto.


     - Mas você nem comeu.


     - ...


     O acontecimento teria sido recente fazendo com que ela se preocupasse com ele mesmo sem conhece-lo.


     - O que você estava pensando! Por que você ficou provocando ele?!


     - Tsc! Eu só estava perguntando.


     - Você não tinha o direto! Você acabou de vê-lo pela primeira vez e faz uma coisa dessa?!


     - Eu vou pedir desculpa pra ele tá bom?!


     Quando Izuku chegou no seu quarto não fez nada além de se deitar e olhar para o nada enquanto estava perdido nos pensamentos tristes, essa cena permaneceu até que alguém bateu na porta.


     Toc! Toc! Toc!


     - Sai daqui! Não quero falar.


     - Izuku! Desculpa...- foi Kiri que veio se desculpar.


     - Eu não to nem ai! Vai embora!


     - ... Nós não queremos que as coisas fiquem ruins ente agente, ela-.


     - Não parece que ela ligue pra isso!


     - ...


     A resposta seria dele fez com que ela se calasse, de fato somente ela parecia ter alguma preocupação da relação que teriam, afinal era ela é que devia pedir desculpas se realmente se preocupasse. Vendo que estava fazendo silencio por tempo demais assumiu que ela havia se retirado.


     Ele aproveitou que não seria mais incomodado e foi até sua mesa de estudos onde começou desenhar, aquila não fi a primeira vez que teve ta ideia, o caderno que usava já estava repleto de desenhos sendo em sua maioria de uma garota.


    Toc! Toc! Toc!


     Novamente alguém bateu na porta porem dessa vez o ignoraram e entraram assim mesmo. Konoe foi a primeira a entrar com Kiri atrás a vigiando. Ela entrou e permaneceu parada até que Kiri a cutucou a forçando a falar.


     - Desculpa...- sua orelha estava vermelha e tentava não cruzar olhares com ele.


     - Haham!!


     - Desculpa, eu fui muito insensível lá em baixo, eu prometo que não vou fazer de novo!


     Izuku vendo o pedido de desculpas dela virou seu corpo novamente para a mesa e voltou a desenhar sem falar nada.


     - Não vai falar nada?!- ela se aproximou insatisfeita com sua resposta e se aproximou vendo sem querer seu desenho.


     Ela viu um rosto ainda incompleto de uma garota no caderno e em seguida um olhar frio e triste dele a fazendo se arrepender da sua atitude infantil.


     - Você queria saber o que aconteceu não é?


     - ...- ela confirmou com a cabeça.


     Kiri se aproximou vendo a reação estanha dela, mas logo a intendeu também vendo o desenho e olhar.


     - Eu te conto.







    E ae, pessoal deixe seu Feedback da novel sobre as críticas, os erros, as dúvidas e até mesmo caso tenha alguém que gostaria de ajudar Mr. Izuku na novel com a edição, a revisão ou o qc entrem em contato com ele pelo discord: Mr.Izuku#7063

    Abçz Continuar Lendo

Obtenha o Legado do

Quinto Deus Celestial

Acesse o Facebook